sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Exército de mulheres fúteis


Estou constatando uma situação muito desesperadora: as mulheres estão cada vez mais fúteis. Elas estão cada vez mais obcecadas por estética, consumistas, valorizando coisas (e pessoas) superficiais e vazias, e seguindo modismos sem crítica nenhuma. Fico espantada de ver como a maioria delas está absolutamente igual: pintando o cabelo de loiro (quase sempre “estilo canetinha”, uma espécie de luzes sobre a qual discursei no meu texto chamado “A culpa é da Anastácia”), estão sempre de dieta, usando as mesmas roupas e com peito de plástico, é, quer dizer, silicone (ou sonhando em pôr).



A beleza é a maior virtude e a maior fonte de aceitação social para elas. Para alcançá-la, elas fazem qualquer coisa: passam fome para não engordar, gastam horas no centro de estética fazendo drenagem linfática ou algo do tipo, gastam rios de dinheiro no salão de beleza todo mês, saem de casa parecendo a Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo de tanta maquiagem, chegam em casa com o pé moído de ter andado de salto alto o dia todo (mas não cogitam em hipótese alguma deixar de usar alto, afinal, o que importa é estar bonita, por mais que você esteja morrendo de dor), chegam na faculdade às 19h e ainda vão retocar a maquiagem, passam horas na academia malhando pra ficar com o corpinho padronizado que a mídia impõe que as mulheres devem ter.

Muitas querem ter sua independência financeira, querem trabalhar, mas juntam o primeiro dinheiro que começam a ganhar profissionalmente pra pagar a cirurgia plástica com a qual sonham desde os 14 anos. Muitas querem se estabelecer profissionalmente, mas acham que o homem deve ter, no mínimo, a mesma condição financeira que elas. (“Deus o livre” estar com um cara que ganha menos do que elas.)



Muitas acreditam ser modernas e politicamente corretas, acreditando que o casal deve dividir a conta dos lugares que freqüentam, mas acham um absurdo ter que dividir o motel ou ter que dividir a conta no primeiro encontro. Outras tantas acham um absurdo ter que dividir a conta em qualquer circunstância: acham que o namorado tem que pagar tudo, ou pelo menos sonham com como seria delicioso ter um relacionamento assim (“Já que eu gastei tanto tempo e dinheiro no salão de beleza, o cara não faz mais do que obrigação por pagar o restaurante”, elas devem pensar). Muitas têm seu próprio carro (porque ganharam dos pais ou porque conquistaram com seu próprio dinheiro), mas acham um absurdo ter que deixar o cara em casa; acreditam piamente que o homem tem o dever de ser o motorista particular delas. Revezar as caronas - ou seja, às vezes o cara as pega e as deixa em casa para eles saírem, e, outras vezes, ela pega e deixa o cara em casa com o carro dela – é, para elas, coisa de homem folgado.



O namorado é sempre o motorista oficial, até quando eles estão usando o carro dela. Ela só dirige quando está com as amigas, e nesses momentos se divide entre prestar atenção no trânsito, passar rímel e cantar junto com a Ivete Sangalo seu mais novo sucesso das rádios.
Elas só freqüentam bares em que toca o estilo de música que está na moda no momento. Ouvem sertanejo, música eletrônica, Rihanna, etc. Enfim, qualquer coisa que esteja na moda. Em outras épocas, quando tais cantores e tais estilos musicais não tocavam nas rádios, elas ouviam o que estava na moda na época. Adoram sertanejo, mas é claro que na época em que isso era música de diarista elas nem passavam perto desse estilo. O que importa é ouvir o que toca na MTV e nas rádios; qualquer coisa diferente disso, nem chega ao restrito conhecimento musical delas.


Só se interessam por homens que fazem o estilo “galã de novela das 8”. Mas não basta ser o Ken (afinal, elas são a Barbie), tem que ter carro. E o carro deles deve ser, no mínimo, do mesmo padrão que o delas. Se eles tiverem um Audi A3, um Honda Civic (branco!) ou um Vectra Hatch, pronto, elas gamam. Se ela tem um Renault Sandero e você um Gol 1998, pode esquecer.


As mulheres fúteis não têm posicionamento crítico sobre nada. Discordar de algo é quase improvável. Na roda de amigas, todas com roupa de academia e tênis Nike Shox, elas só concordam com tudo e respondem a seguinte frase pra qualquer que tenha sido o comentário: “ai amigaaa, se vai te fazer feliz, faça mesmooo!”.


Minha estratégia para propiciar alguma mudança nesse quadro é fazer um apelo aos homens. É claro, entretanto, que existem homens igualmente fúteis e que gostam de mulheres assim. Para esses, meu apelo seria em vão. Dirijo-me, portanto, aos outros homens – e sei que há muitos deles - que não simpatizam com a futilidade de certas mulheres e sofrem, de alguma forma, com isso. A esses, sugiro: rejeitem o comportamento fútil de suas namoradas, irmãs, amigas! Exijam autenticidade por parte delas, vocês têm liberdade de dizer que acham ridícula aquela bota com salto de travesti (o salto parece um casco) que elas usam só porque está todo mundo usando. Vocês não precisam ficar horas ouvindo reclamações de quantos quilinhos a mais elas ganharam e de quais exercícios elas tiveram que fazer na academia para queimá-los. Vocês não precisam entrar no mar sozinhos só porque sua namorada não quer perder um minuto de exposição ao sol; mostre a ela o quanto é bom nadar e que não voltar bronzeada da praia não é pecado. Vocês não precisam ser os únicos a ter que gastar o carro e a gasolina; ela também pode te buscar e te deixar em casa. Vocês não devem pagar por tudo; se a guria não gostou que você sugeriu a divisão da conta, parta pra outra, ela está mais interessada em sua conta bancária do que em você. Não tire seu CD do Deep Purple pra ela ouvir Cláudia Leite. Não se privem de ir à pizzaria quando tem vontade e arrastem sua namorada junto, mostre a ela que é absurdo deixar de comer uma pizza deliciosa pra comer salada.

É possível alguém achar esse troço bonito?


Homens, façam sua parte!Ajudem essas mulheres a largar o mundo da futilidade! Antes que eu me convença que vocês gostam de ser tratados como otários.

39 comentários:

  1. Concordo com você em partes, Bruna. Acredito que todos estão muito futeis. Mas penso que isto faz parte da generalização do pensamento capitalista, que não faz mais do que incentivar este tipo de comportamento, infelizmente. E o fato de os homens aceitarem (sim, eles aceitam) e até preferirem boa parte das vezes mulheres fúteis mostra a amplitude desta inha de raciocínio. Penso que a sociedade atual aguarda uma grabde mudança de pensamento, e talvez de economia, para que então possamos nos livrar das algemas fru-frus que vêm nos limitando há tanto tempo.

    ResponderExcluir
  2. haha, apoiado.
    mas, cheguei a conclusão de que, tenho que fazer por mim, de resto, se num se tocar...
    uma a mais, apenas.

    ResponderExcluir
  3. Resumo da ópera que está em voga: A inversão de valores é parte integrante do cotidiano do século XXI. Fazer o quê? Valeu a visita no blog! Beijossssss

    ResponderExcluir
  4. Muito bem, Bruna!
    É isso mesmo!
    As mulheres estão sendo muito manipuladas pela mídia.
    Ainda bem que ainda existem moças que pensam como você!
    Vamos manter contato?
    Beijosss

    ResponderExcluir
  5. Tem uma coisinha que não foi citada mas é uma infeliz realidade: o ideal de beleza que essas mulheres buscam sem escrúpulo algum é arte de nossa sociedade masculina e machista no geral.
    Exemplo: você e mais duas amigas ... o cara que passar vai ter a moral de elogiar uma do grupo descartando as outras como nada. Então as mulheres querem sempre estar melhores umas das outras para chamar a atenção e conseguir um "bom" partido.
    Mulheres são vaidosas sim. Ir a academia é bom e se arrumar é auto-estima. Acho tudo isso muito bom, mas detesto ter que ser quem não sou pra agradar homens sem moral alguma que julgam as mulheres pelo seu corpo...
    então eu comecei a sair com homens que como eu valorizam mais o conteúdo a aparência.
    Agora o homem pagar e tal acho que é só uma gentileza deles como abrir a porta do carro por exemplo. Não é o fim do mundo assim! dividir acho meio estranho quando saio acho legal qualquer um dos dois pagar(inclusive mulheres)
    e quanto ao carro prefiro deixar meu namorado na portinha de casa pois como ele comigo eu tmb devo me preocupar com ele.
    pronto

    ResponderExcluir
  6. Bom em primeiro lugar você está sendo muito preconceituosa. Cada um pinta o cabelo da cor que quiser, e deve cuidar do próprio corpo. E logicamente buscar um homem inteligente e que tenha uma boa colocação no mercado d trabalho e quanto ao carro, isso não importa, afinal andar de ônibus não é nada agradável. Generalizar um grupo de pessoas faz parte do senso comum. Aquele que você deve estar inserida.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer dizer então que quem anda de ônibus tem um vida desagradável e a preconceituosa é a coitada da pessoa que escreveu um excelente texto? Ao invés de procurar um cara com boa colocação deveria procurar um com o mínimo de ética e valores. Mas, claro, isso para vc. é secundário, né? Vá dar uma voltinha de ônibus, mas cuidado com a bota quebra-pé.

      Excluir
  7. Bruna,

    Isto é a mais pura verdade, acreditar que vc se maqueia, usa fio dentral e veste minissai somente porque quer, sem conhecer toda a carga ideológica e cultural que este tipo de comportamento trás é sim é ser senso comum e alienada.

    Vc tem opiniões fortes que estão longe de ser senso comum, pelo contrario muito criticas

    ResponderExcluir
  8. Salvo minha namorada, existem outras boas mulheres por essa selva perigosa, interessante saber.

    Diferente de um outro post, uma bíblia mais ou menos, este concordo tranquilamente, só não sei se fica meio estranho com o anterior, em termos de externalização do ego da "bloguista"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou começando a sentir cheiro de trollagem...expor machismo é "externalização do ego da bloguista"? O que é isso Godo,quis se passar por "filósofo" falando tais bobagens? Que tal tentar interpretar os textos e ser mais solidário com as mulheres ao invés de vir com pseudo-intelectualismos?

      Excluir
  9. Tá certíssima. 95% das mulheres de hoje são acerebradas e fúteis. Infelizmente convivo com umas dezenas delas diariamente e passo o dia todo com uma vontadezinha de ser surda. Quanta burrice enfeitada de Dior, Chanel e Daslu!
    Tá certo que ainda existem verdadeiras mulheres que se respeitam e não se deixam levar pelas futilidades, ainda que boa parte disso venha por conta da imposição masculina por peitos, bundas e cabelos perfeitos, mas acho difícil reverter a situação...os homens também estão fúteis, demais!
    Passar uns dias como voluntário com as crianças no Hospital do Câncer talvez ajude essa cambada de inúteis a acordar pra vida.

    ResponderExcluir
  10. Concordo parcialmente com o texto.

    O motivo: Caiu no clichê de generalizar as mulheres como fúteis, sem citar a futilidade dos homens.

    A quantidade de mulheres fúteis que conheci em minha vida se equipara à quantia de homens fúteis.

    A diferença é que uma mulher fútil prejudica apenas a si mesma. Ela gera o seu próprio sofrimento fazendo cirurgias, dietas, utilizando roupas desconfortáveis, desperdiçando o seu dinheiro e afins.

    Enquanto um homem fútil quer provar que é "macho". E para isso vale dirigir bêbado, fazer rachas, bater na mulher, bater em qualquer um que "se meter com ele", objetificar as mulheres, estuprar, ofender e desrespeitar os outros.

    Por isso esse tipo de conversa me irrita. A futilidade masculina é tão alarmante quanto a feminina, mas é pior por afetar todos ao redor daquele homem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visão parcial da situação, já que ambos se retroalimentam.

      Não há como se falar em pior ou melhor em relação a esse assunto e os próprios exemplos que você citou servem para justificar isso. O homem fútil anseia pela mulher fútil e vice-versa. Deste modo, um estimula a disseminação do outro.

      O homem fútil quer provar que é macho para conquistar a mulher fútil, dirige bêbado, faz rachas porque acredita que isso a impressona. Objetifica as mulheres porque ele mesmo não se vê como indivíduo diferenciado socialmente, ou seja, ele vê tudo como objeto. Dentro desta lógica grotesca compartilhada pelas mulheres fúteis, todo objeto evoca propriedade e toda propriedade deve ser adquirida, mantida e defendida. Por isso ele bate na mulher e em qualquer um que se meter com ele, num descontrole próprio e evidente, assim como toda mulher fútil é extremamente violenta contra quem ela discorda. O homem age fisicamente e a mulher psicologicamente.

      A mulher que você identificou está longe de prejudicar apenas a si mesma. Além de colaborar com a manutenção de uma série de aberrações sociais, na sua rotina diária, ela espalha isso, estimulado outras a agirem da mesma maneira, atacando as outras mulheres e homens que não são como ela e educando os filhos nessa nojeira insultante que ela acredita ser certa.

      Na verdade, enquanto o homem fútil é o peão de uma sociedade fútil, a mulher é a sua advogada.

      Sobre a questão do estupro você foi tão repugnante na forma como generalizou a questão, já que há muita diferença (númerica inclusive) entre o homem fútil e o estuprador. Me deu tanto nojo que não vou comentar sobre ela.

      E se essa conversa te irrita, lembre-se que você não precisa fazer parte dela.

      Excluir
  11. Então, achei o argumento do testo válido sim. Esse é sim um comportamento comum entre mulheres... mas é também entre homens. Os homens são tão fúteis quanto mulheres.

    E não acho que a solução seja um apelo aos homens... Sinceramente, homens inteligentes e sinceros raramente têm um relacionamento duradouro com mulheres fúteis.

    A solução é combater esse pensamento que muitas mulheres, é dizer que a revista Marie Claire não é a solução dos problemas dela! Fiz um post sobre isso no meu blog, se quiser dar uma olhada: http://mundomel.wordpress.com/2011/07/30/chique-e-ser-inteligente-ou-o-que-as-revistas-femininas-fazem-voce-acreditar/

    Quanto às questões polêmicas de relacionamento homem/mulher:
    - Nâo ligo de dividir conta, nem de pagar a conta. Sério. Às vezes sei que meu namorado tá sem grana e pago. Às vezes ele saca que eu também to sem grana e paga. Qual o problema?
    - Meu namorado não dirige e eu sim. Então sou eu quem pega no volante, deixa ele casa e talz. No começo ele achava isso o fim por conta da chacota dos amigos, da vergonha. Depois percebeu que isso era uma bobagem. Que que tem se a mulher dirige?

    ResponderExcluir
  12. Jéssica,

    Entendo o seu posicionamento. É o mesmo que ocorre quando uma mulher linda e jovem namora um homem feio, velho e rico, e todos criticam dizendo que ela está com ele somente por dinheiro. Mas ninguém critica o fato de que ele também só está com ela pela bunda e/ou peito de plástico.

    Eu sei que existem muitos homens fúteis, mas eu quis escrever especificamente sobre as mulheres. O fato de eu não citar a questão dos homens não significa que eu não os ache fúteis. Significa apenas que eu estava falando sobre mulheres fúteis, e não pessoas fúteis. Mas você me deu uma boa dica para escrever só sobre homens fúteis –o que será difícil porque eu não convivo com eles!

    Mas discordo quando você diz que se a mulher é fútil, isso só prejudica a ela mesma. Prejudica a todas as mulheres. O maior exemplo disso é no mercado de trabalho.

    Existem milhares de mulheres que aceitam ganhar menos (e que realmente acreditam que merecem menos) já que acham que o marido é quem deve pagar tudo. Isso sem falar nas muitas mulheres que gastam todo o salário em estética!

    Tendo isso em vista, os empregadores generalizam que todas as mulheres podem ganhar menos por terem os namorados/maridos para bancá-las, ou por saberem que elas não usarão o dinheiro para coisas “sérias”. Esse é só um dos muitos exemplos de como uma mulher fútil afeta outras pessoas, e não só a ela mesma.

    ResponderExcluir
  13. Bruna,

    Achei o seu texto genial. Essa é a impressão que eu tenho. É claro que existem exceções tanto da parte das mulheres quanto dos homens, mas de uma maneira geral é isso mesmo. Acho que hoje em dia está faltando capacidade crítica (cérebro) para algumas mulheres que se deixam manipular totalmente pela mídia especialmente as novelas. As mulheres hoje lutam por direitos iguais, que é justíssimo, porém junto com os direitos também existem os deveres. Por que o homem precisa pagar por tudo, sendo que hoje em dia as mulheres também tem salários e as vezes até superiores aos dos homens? É simples, querem ter direitos, porém sem deveres.

    ResponderExcluir
  14. Dênis,

    você captou exatamente o X da questão. Penso exatamente como você!

    ResponderExcluir
  15. Bruna, seu texto está causando reflexão.
    Adorei sua observação e vejo que seu texto é uma autentica alerta sobre a mulher na sociedade. Seu pensamento vem, não apenas para homem excluir esse tipo de mulher, mas sim, a mulher se atentar pelo caminho que está escolhendo.
    A verdade é: Na história da humanidade nós homens fizemos tantas bobagens, bobagens épicas, que hoje as mulheres querem fazer igual, simplesmente por achar que tem direito! Pra elas é uma questão de igualdade.
    Agora, Será que vale a pena mesmo a mulher ser individualista em uma relação? Achar que deve apenas existir direitos a serem realizados? Achar que na história as mulheres sempre foram vítimas do mundo machista?
    Será mesmo que a mulher conquistou o mercado de trabalho, como é vendido? Será que as mulheres não estão sofrendo mais por cuidar de tantas coisas que a 20 anos trás (não indo muito longe), em muitos casos era de responsabilidade do homem? Será mesmo que a mulher por ter conquistado tantas coisas, como é pregado, não tenha doenças que faziam parte do mundo masculino? Será que a mulher não continua sendo objeto sexual nas novelas, filmes, propaganda e no mercado consumidor gerando riquezas para os homens?
    * Boa parte do poder econômico do mundo estão nas mãos dos homens.

    Este texto procura elevar a grandiosidade da mulher à partir da reflexão. Portanto, lindas mulheres exercitam o pensamento colocado pela Bruna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maio reacionári este seu "convite para reflexão",segere que o problema está n conquista de direito,quando na verdade está no backlash,ou seja,o contra-ataque a estas nossas conquistas.E me diga que direitos as mulheres tem que os homens não tem.Sempre tivemos muito mais deveres que vcs,esta tal de dupla jornada é a prova.
      E em relação á "bobagens épicas" me responda: os homens estão sendo punido por elas tal qual as mulheres estão sendo? E me mostre fatos históricos então,que contém tais provas,pois em termos de Brasil,a coisa é pra lá de horrenda: esravidão das negras,estupro de indias,incesto,casamentos de meninas de 10 anos...só falta vc me dizer que negros não foram vítimas de racismo.
      Se fazer de vítim aé diferente de negar que as mulheres são vítimas da cultura machista.Se fazer de vítiam é não se fortalecer para lutar;negar que a opressão sempre existiu é uma forma de nos enfraquecer.Já vi caras virem com este papo para dizer que não é mais necessário nos lutarmos,pois "as coisas se resolvem por si só".

      Aliás Bruna,tenho notado muito "pensamento filosófico" masculino neste blog cuja intenção é dissimular os problemas que vc coloca.E eu noto que tem vezes que vc concorda sem ao menos refletir,como é esta história de "só queremos direitos e não deveres".Na maioria das vezes,só temos deveres e as migalhas de direitos que conquistamos,é jogado na nossa cara!

      Liliane

      Excluir
  16. Bruna estou aqui batendo palmas e incrédula como vc conseguiu expressar de forma tão clara e objetiva o que penso..as mulheres hoje em dia estão cada vez mais fúteis e vazias..é triste dizer isso, pois como mulher me deparo com o fato de que a classe feminina está cada vez mais "idiotizada", mas é a pura verdade!!
    Como muitos disseram aqui, vale ressaltar que uma parcela muito grande, diga-se de passagem, dos homens adoram essas mulheres, mas você conseguiu expressar exatamente as opções que tenho sobre comportamento, questão financeira e beleza em relação as mulheres.

    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  17. Ás vezes eu entro em atrito no blog da Lola com as meninas por isso: Destesto esse tipo de mulher e detesto mulheres vulgares tbm. Quando falo isso, muitas me tacham cm machista, que elas tem o direito de ser cm querem e sempre batem na messssma tecla "Ah, então a culpa das mulheres de nv?". Eu sou muito adepta ao feminismo, mas odeio essa de vitimizar a mulher, colocar a culpa sempre no machismo, nops homens, no sistema que obriga e bla bla bla. Obriga nada! Será que vc nao tem cérebro? Será que vc acha que andar com um decotão, uma saia só tapando a bunda, uma blusinha deixando o piercinsinho de fora, um saltão de 5 cm, vc está "usufruindo da sua sexualidade"?Vc está se prestando ao serviço de açolgue: Olha quanta carne pra escolher!Sou vendável, me valho pelo meu corpo!Será que as meninas não vêem que isso tbm é machismo e dos piores? Claro que eu tenho o direito de sair na rua pelada e não ser estuprada por isso, mas dizer que sai na rua pela simplesmente pq tá calor, é o cúmulo da hipocrisia!
    Pronto, desabafei!rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me lembro de ter te visto por lá ,mas com toda sinceridade,aquele blog da Lola é tão mediocre que tem vezes que caho que ela escreve para gear polêmica,para chamar atenção e só;nenhum assunto ali é debatido seriamente e o que mais vejo por lá são chavões pseudo-feministas como este lance da auto-objetificação feminina.é um bom exemplo desta prada de "femninismo de terceira-onda",que zela mais pela vulgarização da mulher do que qualquer outra coisa.E nem adianta bater boca com elas lá...jpa deu para vc notar a falta de QI,não é?

      Excluir
  18. Bruna, seu comentário está perfeito. Os bons valores e a valorização da expressão de uma individualidade autêntica estão quase extintos. A singularidade foi arrebatada pelas organizações, e o que temos agora em massa são pessoas que não refletem, perseguindo cegamente os ideais que as organizações lhes impõe. Abraços.

    ResponderExcluir
  19. O texto é de 2009, mas continua muito, muito atual. Saiba que você "fez meu dia", Bruna. :- )

    Saber que há mulheres (ainda por cima — odeiem-me, feministas — belas e jovens) com essa visão LÚCIDA sobre as próprias mulheres é animador.

    Beijos.

    Marcelo Salgado

    ResponderExcluir
  20. Concordo parcialmente com você, mas acho preconceituoso rotular mulheres com certos tipos de comportamento citados por você no texto, como fúteis. Inclusive escrevi um post sobre isso.
    ver:

    http://modandoecantando.blogspot.com/2012/02/mulheres-futeis.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sabe como é bruna, a generalização é que de fato causa um certo incomodo! Eu passei por uma situação bem chata por causa de uma generalização como essas. Enfim, não é por que a mina gosta de claudia leite (particularmente não gosto, mas...) que ela é futil!
      e sim, sou eu de novo, os mesmos comentarios o mesmo perfil e nopmes diferentes, esse acima e este aqui agora!

      Excluir
    2. Olá,

      note que gostar de Cláudia Leite, assim como outra característica que citei, podem por si só não serem fúteis. O que quis dizer é que a futilidade é um conjunto de coisas, e muitas dessas coisas, juntas,ao mesmo tempo, confirmam a futilidade, mesmo que uma ou outra, isoladas, não sejam futilidade propriamente dita.

      Excluir
  21. Muitas pessoas (mulheres e homens) vivem em uma incansável busca por poder e dinheiro fácil sem muito esforço e vem o casamento como um meio para conquistar isso.

    Eu tenho uma certa pena de mulheres (e homens)fúteis. No caso das mulheres, essa obsessão por namorados e maridos ricos muitas vezes ofusca qualquer vislumbre de um futuro de plena felicidade e realização pessoal, intelectual e espiritual. Creio que muitas Mulheres que casam por dinheiro percebem depois de um tempo a vida se desenrola e que por dinheiro abdicaram de seus valores e sonhos (se é que tinham). Dai começam a trair, tornam a vida do conjugue um inferno ou caem em depressão, fazem intermináveis sessões de terapia e compram um gato para fazer companhia em casa enquanto se preocupam em falar mal dos outros para compensar suas frustrações. Casei 6 anos atras qdo tinha um emprego que pagava R$ 3000 por mes. Hoje tenho minha empresa, ando de carro importado e tenho dinheiro sobrando (posso até me aposentar se quiser), tenho 40 anos e , modestia a parte, as mulheres fúteis vivem me assediando (principalmente as que sabem que tenho $). Acho engraçado e sou completamente apaixonado por uma verdadeira mulher que é inteligente, linda, companheira e nao tem nada de fútil, mas hj qdo quer, pode vestir Daslu, Channel etc...

    ResponderExcluir
  22. Ótima reflexão Bruna, estava hoje aqui desesperançoso pela condição humana em si e navegando na rede a procura de semelhantes encontro esse texto muito inspirado e sincero. Deixarei abaixo minhas ponderações sobre a temática, ainda que já se tenha passado algum tempo da sua postagem principal, espero que você possa ler algum dia.

    Considero a futilidade um estado de torpor "d`alma". Uma condição que leva a intelecção do indivíduo a se voltar exclusivamente para um estado de cousas puramente egóicas. A problemática é que o indivíduo acometido por essa vacuidade alcança tal estado de cousas sem amadurecer em si, no seu psiquismo, uma forte coesão mental que lhe possa assegurar um posicionamento crítico das informações que o mundo sensorial lhe trás.

    Sem esse "revestimento interior" o indivíduo certamente ficará a mercê de toda sorte de rompantes passionais da mente, já que lhe faltará sempre um elemento norteador e moderador desses recorrentes impulsos. Já que os elementos internos não possuem coesão restará ao ego idolatrar religiosamente a vacuidade ali engendrada, criando-se consequentemente o estado alienante da futilidade.

    ResponderExcluir
  23. Olá Raphael,

    muito obrigada pelo comentário! Você tem muita propriedade para falar do assunto :)

    PS.: Não consegui deixar comentário no seu blog(explorer bichado ou algo assim), mas belos desenhos!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  24. Só posso dizer que: tudo isso tende a piorar.

    ResponderExcluir
  25. Bruna, eu estava lendo os comentários que fizeram no seu texto e vi que um certo infeliz disse que trata-se de senso comum. Como pode alguém dizer que um texto seu tem teor de senso comum? Isso nunca aconteceu e nunca vai acontecer! A pessoa leu o texto, não entendeu nada e vai continuar sendo limitada!

    Sobre o texto, em si, é lamentável saber que uma quantidade enorme de mulheres está jogando sua vida no lixo com tanta futilidade. Como você disse numa ocasião, esse tipo de pessoa [fútil] nem sequer pensa sobre qual é o seu real objetivo na Terra.

    ResponderExcluir
  26. Estamos em 26/02/2013, e a futilidade infelizmente, ainda impera !!!!! Vemos mulheres robotizadas, esticadas, plastificadas, vazias e sem conteúdo, vivendo casamentos vazios, com parceiros que estão sempre traindo-as com outras, ainda mais fúteis !!! Não adianta ficarem chocadas e horrorizadas com a publicação da Bruna, porque ela tocou diretamente na ferida de MUITAS !!!! Mas nunca é tarde para MUDAR !!! Ser diferente e autêntica, é a palavra chave da FELICIDADE !!!!

    ResponderExcluir
  27. Oi Bruna, é uma alegria saber que existe vida inteligente no Planeta Mulher Atual. Claro que estou exagerando, conheço dezenas de mulheres de todas as idades, inclusive adolescentes que são pessoas interessantíssimas de se conviver. O Universo é feito de contrastes para que se perceba as diferenças, luz e sombra, coisa e tal. Não fossem as fúteis de antolhos o valor que damos para as mulheres despertas não seria tão grande. Vocês serão sempre o que de melhor Deus criou para nos fazer felizes, não importa o que procuram em suas andanças pelo mundo, vocês são insubstituíveis.

    ResponderExcluir
  28. Mesmo sendo fúteis e burras, mesmo se pagando de objeto para o cara que tem o carro melhor e tudo mais, ainda assim, é legítimo. Se elas querem ouvir o lixo da Claudia Leite ou guardar todas as suas economias para pôr silicone (sonho delas desde os 14 anos), ainda assim, é uma escolha legítima.

    Entendo a ditadura e transvaloração que vivemos hoje (já citado no seu texto), e defendo que uma escolha, por mais que seja induzida pela mídia e tudo mais, é ainda uma escolha.

    E se pintar os cabelos de louro (canetinha) caracteriza os estereótipos das mulheres vazias que vemos hoje, o que dizer de quem generaliza e não enfatiza que o tal "vazio" é culturalmente partilhado e absorvido por estas mulheres desde a tenra idade, na maioria das vezes imposto, e que não há como cobrar delas a mesma reação que temos diante de tantas injustiça no que diz respeito a posição da mulher... VALORES: cada um tem os seus.

    Beauvoir já afirmava que a mulher não é solidária com outras de classes, ideologias ou perspectivas diferentes... julgar os outros pelos Nike Shox, pelo nível do papo entre amigas, pelo lixo de música que ouvem, pelas roupas de academia, se dirigem seus próprios carros ou não é tão superficial quanto... e se considerar os tais "direitos e deveres", elas têm o direito de serem quem são, e se isso deprecia a condição da mulher como um todo, isso já é outra história...

    vi mais intolerância, juízo de valor e até uma ponta de recalque neste post do que algo novo e de fato relevante para este tipo de discussão...

    Contudo, tudo o que questiona os nossos posicionamentos, é válido!

    ;-)

    ResponderExcluir
  29. Eu sinceramente nunca gostei de me maquear, mas não ligo se outras mulheres fazem isso. Só que a única coisa que me tira do sério são elas querendo impor isso em mim! Já vivi situações onde me foi questionado: -Você não pinta as ulhas? Você não usa batom??? Só faltou elas falarem -Você é machorra??? Aff...

    ResponderExcluir
  30. Concordo com tudo o que você escreveu. E, sim, os homens tem culpa no cartório!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nao seja tao mulherzinha, qq merda que dê, a culpa é sempre dos outros é. baaaaa hehehe q comportamento mais previsivel

      Excluir